Bem-vindos ao Katherine Langford Brasil, sua fonte brasileira de notícias sobre a atriz, cantora e compositora australiana Katherine Langford, mais conhecida por interpretar Hannah Baker na série original da Netflix "13 Reasons Why". Aqui você vai encontrar vídeos, entrevistas, fotos e notícias. Acesse a galeria para fotos em HQ da Katherine. Site criado de fãs para fãs.


postado por Mila

Katherine Langford concedeu uma entrevista exclusiva para o exemplar de hoje, 27/03, do jornal australiano The West Australian. A atriz falou sobre ‘Com Amor, Simon‘, sua personagem Leah Burke e temas relacionados ao filme. Confira a matéria traduzida por nossa equipe abaixo:

Por que ela é uma estrela

Depois da estreia marcante na controversa série da Netflix, ‘13 Reasons Why‘, a atriz de Perth, Katherine Langford, continua a ser uma das jovens estrelas mais badaladas do mundo. A ex-aluna da Perth Modern voou de volta à Austrália no último fim de semana para promover seu primeiro grande filme de Hollywood, ‘Com Amor, Simon‘, que estreia nos cinemas australianos na quinta-feira.

A jovem de 21 anos sentou-se para falar sobre seu novo filme, que recebeu ótimas críticas, e contou como foi ser nomeada a Melhor Atriz em Série Dramática no Globo de Ouro, em janeiro.

PARABÉNS PELA INDICAÇÃO AO GLOBO DE OURO POR ’13 REASONS WHY’. COMO VOCÊ SE SENTIU?
Foi emocionante. A energia era bastante palpável. Foi uma noite realmente maravilhosa e eu tentei absorver o máximo dela que eu pude. Foi especial para mim por muitas razões. Meu primeiro Globo de Ouro obviamente, mas também foi uma noite tão comovente por causa do movimento Time’s Up. Lembro-me que nesta época ano passado eu tinha acabado de filmar a primeira temporada de ‘13 Reasons Why‘ e assisti a Claire Foy aceitar o prêmio nessa categoria. Então, ser nomeada ao lado dela este ano, bem como, obviamente, Elisabeth Moss, Maggie Gyllenhaal e Caitriona Balfe, foi um momento muito especial e uma espécie de círculo completo.

VAMOS FALAR DE COM AMOR, SIMON. É SOBRE O QUE?
Bem, o filme é baseado no romance juvenil de Becky Albertalli, Simon vs. a Agenda Homo Sapiens. E ele acompanha um garoto de 17 anos de idade durante o ensino médio. É a história dele se apaixonando e então sendo exposto por um de seus colegas de classe e como isso afeta ele, sua família, seus amigos e as pessoas ao seu redor.

NO QUE VOCÊ DIRIA QUE ELE SE ASSEMELHA A OUTROS FILMES?
Eu acho que o filme definitivamente tem uma essência e qualidades de um filme de John Hughes, o que eu acho que é uma característica e qualidade muito especiais de se ter. Ele ainda é muito moderno, no sentido de que não está tentando se passar em qualquer outro período que não o agora, mas possui elementos de amor e comédia, e um equilíbrio desses elementos que são similares a alguns filmes do John Hughes.

VOCÊ MENCIONOU OS FILMES DE JOHN HUGHES, QUE SE PASSAM NOS ANOS 80 — PARECE QUE A NOSTALGIA É MUITO PREDOMINANTE ENTRE OS JOVENS HOJE?
Eu realmente sinto que hoje é difícil não reconhecer a enorme presença da tecnologia e acho que há, talvez, um pouco de nostalgia, ou talvez apenas pessoas preenchendo partes do que elas sentem que está faltando, dado que vivemos em uma época tão tecnológica e digital.

UMA ÁREA NA QUAL ‘COM AMOR, SIMON’ SE DIFERE DE MUITOS FILMES ADOLESCENTES É TER UM PROTAGONISTA GAY. O QUE DÁ A SENSAÇÃO DE QUE ESSA NÃO DEVERIA SER UMA COISA PARTICULARMENTE ÚNICA, MAS DE ALGUMA FORMA AINDA É…
Representatividade é uma coisa tão importante. E especialmente no cinema e em outras formas de arte. Eu sinto que há mais filmes LGBTQ, ou filmes que são centrados em torno de protagonistas LGBTQ, nos dias de hoje, mas ainda está faltando — há, definitivamente, espaço para mais. O que é tão especial sobre ‘Com Amor, Simon‘ é que ele não é apenas um filme focado em um personagem gay, mas ele também é um grande filme de estúdio e é uma história de amor. Criar um filme que é baseado em um protagonista LGBTQ já foi feito, e bem feito, antes… ‘Carol‘ ou ‘Me Chame Pelo Seu Nome‘, para citar alguns exemplos. Mas esse é um pouco diferente, eu acho. Ele não é apenas uma história de amor, é sobre juventude, é uma história comercial de amadurecimento e acho que, talvez, possivelmente seja a primeira vez que uma história de amor LGBTQ é contada de uma maneira tão grande, por um grande estúdio.

CONTE-NOS SOBRE A SUA PERSONAGEM NO FILME, LEAH.
Leah Burke é a melhor amiga de Simon. Eles tem sido melhores amigos desde antes do ensino médio, eu acho. Leah é uma personagem interessante. Por fora, ela é um tanto endurecida e pode ser um pouco fechada. Ela é muito criativa e é ligada em moda. E eu acho que um dos grandes motivos pelos quais ela é tão ligada em moda e em criatividade é porque esta é uma forma de ela se expressar, mas também extravasar o que ela sente por dentro de uma forma que é material e pode ser vista externamente. A moda pode servir como uma barreira entre nós e o resto do mundo e é uma barreira de proteção. Eu acho que particularmente para Leah, sua barreira consiste em suas roupas e criações, porque são coisas nas quais ela é boa e que ela pode fazer. Quero dizer, até mesmo conversando com os maquiadores e cabeleireiros quando estávamos nos estágios iniciais, eu disse que pensava que Leah é alguém que brinca criativamente com suas roupas e sua maquiagem, porque são coisas que ela pode criar, apresentar e se adaptar com. Eu acho que na maior parte do tempo no filme, especialmente na escola e particularmente perto da personagem de Alexandra Shipp, Abby, que é meio que a novata do grupo, Leah se sente bastante ameaçada. Ela é um pouco insegura em relação à Abby porque ela não se sente como se fosse tão boa quanto ela e eu acho que ela tem medo de perder seus amigos ou de ser vista como menos. Então ela definitivamente usa suas roupas e sua habilidade de manipular sua imagem para meio que se defender e se proteger.

EM UM NÍVEL BASE, COMO ATRIZ, É DIVERTIDO INTERPRETAR ALGUÉM QUE VESTE ROUPAS LEGAIS?
Definitivamente. Desde nova eu sempre fui interessada em estilo — embora eu não tenha crescido na indústria da moda — Eu sempre mantive uma apreciação por estilo, moda e arte… Eu acho que ao interpretar um personagem e particularmente ao interpretar Leah, você definitivamente tem muito mais opinião sobre o que você vai vestir, e mais ainda sobre a história por trás daquela roupa e o que cai bem com ela.

LEAH E SIMON SÃO MEIO QUE AMIGOS A VIDA TODA. VOCÊ CONHECIA NICK (ROBINSON) ANTES DO FILME? FOI DIFÍCIL CRIAR ESSE SENTIMENTO DE FAMILIARIDADE FÁCIL ENTRE O PERSONAGEM DELE E A SUA?
Nick Robinson é ótimo. Nós nunca havíamos nos visto antes do filme, mas ele é muito talentoso e inteligente e tem uma energia maravilhosa. Então, foi meio que fácil me dar bem com ele e eu acho que nós temos uma dinâmica legal que, com sorte, é similar a de Leah e Simon.

O DIRETOR GREG BERLANTI ORGANIZOU ENSAIOS POR DIVERSAS SEMANAS ANTES DAS FILMAGENS. ISSO AJUDOU A DINÂMICA E AS PERFORMANCES?
Ter duas semanas de ensaio realmente nos ajudou a ser capazes de nos conhecermos e brincar uns com os outros, não apenas a aprender e conviver uns com os outros como pessoas, mas também a adivinhar qual é a energia e qual é a dinâmica. Porque você lê um personagem em um roteiro e meio que tem uma ideia de quem eles são e do que eles fazem, mas não é até você colocar todos esses personagens juntos em uma sala que você realmente descobre como todos funcionam e interagem.
Greg foi genuinamente ótimo em nos deixar tentar e em nos deixar ver o que funcionava e o que não funcionava. E eu acho que, naquele período de ensaios, você realmente descobre não apenas mais do seu personagem, mas como eles interagem diferentemente com outros personagens. Por exemplo, com Leah foi compreender aquela dinâmica entre ‘Qual é a diferença entre Leah com Simon, Leah com Simon e Nick, e Leah quando está em um lugar com Simon, Nick e Abby?’ E eu descobri que elas variavam em temos de energia e meio que como Leah se sentia, onde ela se posicionava.

PARECE QUE HÁ MUITO MAIS COISAS EM LEAH COMO PERSONAGEM DO QUE SIMPLESMENTE A ‘AMIGA DO SIMON’.
Ambos passaram por tantas coisas juntos. Eles têm 17 anos agora e tem enfrentado uma série de coisas juntos pelos últimos 10 anos, provavelmente. Simon obviamente teve namoradas e não deu certo com nenhuma. Leah nunca teve um namorado, mas ela claramente assistiu e passou por todos os relacionamentos de Simon com ele. E durante esse período de tempo, ela, de uma maneira, se apaixonou por seu melhor amigo. O que acontece com ela ao longo do filme é que, enquanto Simon está lidando com seus desafios, Leah também está passando por suas próprias provações tentando lidar com todas as mudanças ao seu redor, e se apaixonando por Simon, achando que ele sente o mesmo.

COMO VOCÊ MENCIONOU, ESSE FILME NÃO É APENAS SOBRE SIMON.
Simon é, naturalmente, o foco principal, mas, se você olhar para qualquer um dos seus amigos nessa história, todos eles têm seus próprios problemas ou desafios de um tipo ou de outro. Com Leah, acho que talvez ela ainda não esteja muito confortável em sua própria pele. Ela meio que ainda não descobriu quem ela é ou como ela quer se apresentar ao mundo. E talvez ela tenha, um pouquinho, se agarrado a essa ideia de que está apaixonada por seu melhor amigo. Então quando isso é tirado dela, dói. Esse é o seu primeiro amor. Sua primeira paixão.

VOCÊ SENTE QUE OUTRAS JOVENS MULHERES PODEM SE IDENTIFICAR COM A LEAH?
Eu acho que toda vez que você assiste um filme, vai se identificar com alguém ou com a história de alguém de sua própria maneira pessoal, porque todos nós vivemos vidas muito diferentes e temos experiências diferentes que nos moldam. Mas eu realmente acho que a dificuldade que Leah enfrenta não é diferente das que muitos de nós enfrentamos, que é nem sempre se sentir completamente confortável em sua própria pele. Nem sempre ter completa ciência de quem você é. Eu acho que essas são coisas pelas quais todos nós passamos em algum momento na vida. Através do filme, você assiste Simon, Leah e o resto do grupo de amigos deles lidarem com seus próprios conflitos pessoais. Todos eles lidam com não saber muito bem quem são e tentam descobrir suas identidades nesse filme.

VOCÊ ACHA QUE É MAIS COMUM NOS DIAS DE HOJE QUE OS FILMES, E A INDÚSTRIA DO ENTRETENIMENTO EM GERAL, ABORDEM QUESTÕES CONSIDERADAS TABUS?
Eu definitivamente sinto que houve uma mudança na narrativa. Acho que há uma infinidade de fatores que se encaixam nisso. Acho que os espectadores estão muito mais inteligentes e muito mais a par do que está acontecendo no mundo, porque esse é um debate tão global agora. E nós estamos tão unidos agora, não apenas como países, mas também como uma comunidade global. E eu acho que isso realmente tem se traduzido no cinema e na televisão nos últimos anos.

TENDO DITO TUDO ISSO, ‘COM AMOR, SIMON’ É BEM ENGRAÇADO TAMBÉM…
Sim, eu acho que embora este filme tenha algumas mensagens subjacentes maravilhosas que são tão fortes e tão importantes, ele é também um filme que irá fazer você se sentir bem. E acho que as pessoas estão reagindo bem a ele por causa disso. Deixar a sala de cinema se sentindo positivo e ter uma experiência positiva em um filme é realmente maravilhoso. E talvez seja necessário, dado o clima global atual. Em termos de momentos engraçados, acho que Logan Miller, que interpreta o Martin, tem algumas cenas fantásticas que realmente transmitem parte do humor através deste filme.

FALANDO DE MEMBROS DO ELENCO, PARECIA HAVER UMA CAMARADAGEM REAL LÁ NO SET. AGORA VOCÊS ESTÃO REUNIDOS PARA O EVENTO DE HOJE…
Na verdade, é realmente maravilhoso ver todo mundo. Hoje foi o primeiro dia que a grande maioria de nós esteve reunida desde as filmagens, e foi como se a mesma dinâmica sólida estivesse de volta imediatamente. Além disso, a relação de Simon, Leah e Nick é praticamente a mesma de Nick, eu e Jorge.

Com Amor, Simon‘ estreia na quinta-feira.

Os scans do jornal e a foto divulgada do ensaio fotográfico de Katherine para a 20th Century Fox, realizado por John Russo, já estão em nossa galeria:

REVISTAS & JORNAIS | SCANS > 2018 > MARÇO – THE WEST AUSTRALIAN


ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS & PORTRAITS > 2018 > 20TH CENTURY FOX POR JOHN RUSSO

Fonte: The West Australian.
Tradução & Adaptação: Katherine Langford Brasil.
Não copie e/ou reproduza sem dar os devidos créditos!

Deixe um comentário!