Bem-vindos ao Katherine Langford Brasil, sua fonte brasileira de notícias sobre a atriz, cantora e compositora australiana Katherine Langford, mais conhecida por interpretar Hannah Baker na série original da Netflix "13 Reasons Why". Aqui você vai encontrar vídeos, entrevistas, fotos e notícias. Acesse a galeria para fotos em HQ da Katherine. Site criado de fãs para fãs.


postado por Mila

Katherine Langford, Dylan Minnette, Alisha Boe e Brian Yorkey concederam uma entrevista exclusiva ao site da revista britânica NME na qual discutiram a segunda temporada da série e a presença de Hannah Baker na mesma. Confira a tradução, feita por nossa equipe, a seguir:

O elenco de ’13 Reasons Why’ fala sobre a 2ª temporada: “As pessoas estão genuinamente comovidas por este trabalho – elas se importam tanto”
O drama adolescente da Netflix provocou muita polêmia com sua representação gráfica de suicídio e estupro. Como a segunda temporada chega as telas na sexta, 18 de maio, nós encontramos o elenco e o criador da série para descobrir o que vem a seguir

Se você achou que ‘13 Reasons Why‘ era apenas uma série que teria seus 15 minutinhos de fama, então pense novamente. O que você maratonou no ano passado foi apenas o começo.

A primeira temporada foi uma experiência e tanto,” diz o showrunner Brian Yorkey, sentado confortavelmente em um elegante quarto de hotel, em Roma. “Mas nós sempre soubemos que iríamos revisitar muitos dos acontecimentos de uma perspectiva diferente. Afinal de contas, toda história possui um outro lado e na segunda temporada iremos descobrir coisas que ninguém esperava.

Baseada no romance best-seller de Jay Asher, a primeira temporada foi um drama misterioso envolvente que figurou entre as séries mais maratonadas da Netflix em 2017. Sua trama girou em torno de Hannah Baker, uma estudante do ensino médio problemática que tira sua própria vida e deixa uma nota de suicídio acusadora em 13 fitas cassetes cuidadosamente gravadas. Conforme elas circulam, uma a uma entre os horrorizados colegas de classe de Hannah, cada um se esforça para enterrar as provas e proteger seus nome. Mas nos perturbadores episódios finais, a verdade finalmente vem à tona.

É uma série difícil de se assistir. O suicídio adolescente e o estupro raramente são retratados de forma tão gráfica e os temas da série repercutem fortemente entre com jovens. As buscas por conscientização em relação ao suicídio no Google aumentaram após seu lançamento e 13RW se tornou a série mais comentada do ano no Twitter. Nem mesmo Yorkey esperava que a série estourasse tão violentamente.

Sabíamos que iria haver debates acerca da série e acho que queríamos isso,” ele explica. “Mas nessa quantidade e intensidade? Isso foi surpreendente.

Alguns elogiaram a Netflix por ampliar os debates, mas outros — incluindo pais, profissionais de saúde mental e até mesmo bandas indie — expressaram preocupações. Sua queixa principal? A representação excessivamente gráfica do ato final de Hannah, que desrespeitou as diretrizes de transmissão que especificamente desaconselham a exibição de “métodos de suicídio” na tela. Por melhores que sejam as intenções, sempre há o risco de que algumas pessoas vejam isso como um ‘passo a passo’ em vez de um ‘por que não fazer’.

O principal desses críticos foi o vocalista da Car Seat Headrest, Will Toledo. Ele rotulou a série como “meio f*dida” em um discurso inflamado no Twitter e culpou os escritores por “dizerem às crianças como transformar suas vidas miseráveis e desesperançosas em uma emocionante e catártica missão suicida”.

Para Dylan Minnette, que interpreta Clay, o amigo mais íntimo de Hannah, as palavras ainda são inteligentes. “Foi uma pena, porque eu definitivamente sou um grande fã da Car Seat Headrest,” diz ele com tristeza. “Espero que ele tenha feito sua pesquisa e assistido a todos os episódios da série antes de formar sua opinião, porque ele é bastante franco sobre muitas coisas. Acho que foi só o ‘Will sendo o Will’, mas quando é sobre algo do qual você faz parte é meio chato.

Em sua grande maioria, porém, a resposta foi positiva — especialmente por parte dos fãs. Uma pesquisa realizada pela Northwestern University mostrou que 71% de todos os adolescentes entrevistados estavam mais propensos a falar sobre seus problemas depois de assistirem 13RW.

Problema resolvido, certo? Bem, na verdade não. Além das críticas, havia outras coisas no caminho de um retorno. O enredo, por exemplo.

No final da primeira temporada as fitas são terminadas, Hannah está morta e — embora algumas perguntas permaneçam sem respostas — o material de base de Asher não vai adiante. Yorkey teve que fazer uma escolha: encerrar por ali, reexaminar os eventos através de uma perspectiva diferente ou aventurar-se em território desconhecido. No fim, ele optou por uma fusão das duas últimas.

Nós sempre soubemos que queríamos que Hannah voltasse,” revela Yorkey. “Nós queríamos que ela fosse uma presença na vida de Clay, porque ele ainda tem que passar pelo processo de deixá-la ir, de aceitar a morte dela. Queríamos encontrar uma maneira de dramatizar esse processo.

Novos narradores foram acrescentados e há um mecanismo de enredo diferente para orientar a narrativa. Em vez de informações introduzidas aos poucos pelas fitas, cada episódio é moldado em torno de uma única foto polaroide. Algo pelo qual Yorkey foi muito criticado pelo público jovem.

Fiz algumas observações em uma entrevista no ano passado sobre como [as polaroides] seriam uma nova tecnologia que a Geração Y teria que pesquisar no Google,” ele ri. “Imediatamente, tinha pelo menos meia dúzia de crianças twittando para mim: ‘Nós sabemos o que são polaroides, por favor. Eu tenho uma câmera polaroide!’ A ira da Geração Y — você não quer enfrentá-la!

Quanto à identidade do misterioso fotógrafo das polaroides, Yorkey se mantém reservado. A pessoa por trás dos cliques “tem uma razão muito específica para querer polaroides e não apenas fotos em seus celulares”. Mas, quem quer que sejam os responsáveis, parece que Clay será o encarregado de rastreá-los.

Esta não é uma temporada fácil para Clay,” admite Minnette. “Quando ela começa, vemos que ele está tentando seu máximo para superar Hannah completamente. Mas quando a escola vai a julgamento por negligência, o força a voltar à ação para conseguir justiça para Hannah.

Felizmente para Clay, seus pais agora lhe compraram um carro. Então não espere uma repetição das perseguições (e acidentes) de bicicleta tarde da noite da primeira temporada. Talvez ele não venha a ter um band-aid estampado permanentemente na testa também? “Eu acho que Clay sempre vai encontrar uma maneira de arrumar alguns machucados,” ri Minnette. “Simplesmente não há maneira de contornar isso!

Deixando todas as piadas de lado, Clay — e seu relacionamento com Hannah — continuam sendo o coração de 13RW. Quando encontro Dylan Minnette e Katherine Langford, que interpretou Hannah em seu primeiro papel da carreira, eles são só sorrisos, rindo e brincando durante nosso curto papo. Mas deve ser estranho, penso eu, ter a sua grande chance como um personagem que morreu antes mesmo da primeira cena?

É estranho,” diz Langford. “Mas para mim, Hannah pareceu estar muito viva durante a primeira temporada. O [diretor] Tom McCarthy me disse bem no comecinho das filmagens: ‘Você tem um longo caminho a percorrer.‘”

Apesar dos sentimentos de Langford, Hannah não está nem um pouco viva na segunda temporada. Então, como ela aparece? “Toda vez que você vê Hannah nesta temporada, é filtrada através dos olhos de outra pessoa,” revela Langford. “Você a vê em flashbacks, alguns verdadeiros, outros não, e também nos dias de hoje com Clay como uma presença.” O que? Como um fantasma? “Mais ou menos. O personagem de Hannah é algo que é descoberto ao longo do curso das filmagens. Mas eu diria que ‘presença’ é provavelmente a melhor maneira de descrevê-la.

Na verdade, as aparições de Hannah na segunda temporada estão, em sua maioria, restringidas à mente de Clay. Conforme o julgamento avança e a tensão aumenta, ele começa a vê-la cada vez mais, enquanto ninguém mais consegue. De muitas maneiras, 13RW é tanto sobre Clay quanto é sobre Hannah. É a história de um jovem que se desvenda na sequência de um trauma inimaginável. A “presença” contínua de Hannah é simplesmente uma prova da incapacidade de Clay de lidar [com esse trauma].

Da mesma forma, o jovem elenco poderia ter cedido sob a pressão. Mas eles não cederam. Enquanto conversamos, há centenas de fãs (a maioria meninas) em fila do lado de fora do hotel, na esperança de ter um vislumbre das duas estrelas. Certamente isso é difícil de lidar?

Essas pessoas estão genuinamente comovidas pelo trabalho [da série]. Elas se importam tanto,” diz Langford. “Eu vim da Austrália, onde nunca havia feito nada, e agora estou na maior série da Netflix de todos os tempos.” Ela continua: “Eu encontrei uma casa com os fãs. Eles realmente me trazem muito conforto e motivação.

Minnette é mais profissional quanto a isso. Ele filmou sucessos de bilheteria com Hugh Jackman e Jack Black e tem mais experiência com a exposição. “Há muitas maneiras diferentes de lidar com isso,” diz ele. “Eu fui bem taxativo comigo mesmo de que não mudaria nada quando a série fosse lançada.” Isso é possível? “Eu apenas disse a mim mesmo: ‘Você não deve nada a ninguém. Seja você mesmo e viva a vida que você tem vivido.’ Foi assim que eu me mantive saudável e feliz.

Quanto a lidar com a temática pesada da série, isso é um assunto diferente. Alisha Boe, que interpreta sua companheira de escola Jessica, tem algumas das cenas mais traumáticas do seriado. Na primeira temporada, sua personagem é estuprada em uma festa pelo atleta Bryce, enquanto seu namorado Justin deixa acontecer e então tenta encobrir o ocorrido depois. Sensatamente, foi disponibilizado apoio se tudo isso fosse demais para os jovens atores.

De acordo com Boe, havia “médicos à disposição para conversar” e o elenco trabalhou de perto com a It’s On Us — uma organização que ajuda os sobreviventes de abusos sexuais em sua recuperação. Em certa altura, houveram até cães no set. “Se estivéssemos chorando, de repente aparecia um filhote bem ali e você podia abraçá-lo!” diz Boe com um largo sorriso. “Havia muito apoio disponível.

Infelizmente, alguns fãs não foram tão compreensivos quanto Boe esperava. Vários praticaram slut-shaming com Jessica na internet, enquanto outros sugeriram que o estupro foi culpa dela. Ela não ficou surpresa: “Eu senti que isso foi paralelo a como a sociedade enxerga os sobreviventes,” diz ela. “É muito comum culpar as vítimas.” Mais tarde, o movimento #MeToo conquistou espaço rapidamente e a história de Jessica ganhou nova relevância. “O artigo de Ronan Farrow foi publicado no meio das filmagens,” explica Boe. “Foi muito empoderador ver as mulheres contando suas experiências e depois indo ao trabalho, porque isso se aproximava muito da história que estávamos contando.

Uma das celebridades que mais apoia o movimento também desempenhou um papel importante em fazer 13RW acontecer. Originalmente cotada para interpretar Hannah — sua mãe havia adquirido os direitos do livro em seu lançamento — Selena Gomez acabou sendo a produtora executiva em vez disso. “Quando decidimos que ’13 Reasons Why’ seria uma série de TV, Selena já era uma pop-star global,” diz Yorkey. Como resultado, ela decidiu por não atuar no projeto, já que isso deixaria as coisas “fora de equilíbrio”. Mas ela ainda queria estar envolvida e trabalhou duro nos bastidores.

Selena tem sido bem aberta quanto suas próprias lutas com doenças mentais,” diz Yorkey. “Ela tem uma fã-base gigantesca cheia de jovens com os quais ela realmente se importa. Tê-la como nosso anjo da guarda e luz-guia tem sido realmente poderoso.

Isso também significava que ela poderia participar da festa de encerramento, uma noite que Gomez documentou em seu Instagram. Cliques de photobooth, publicados nas mídias sociais, mostraram-na ficando íntima do elenco. Eles parecem em êxtase, emocionados por ter uma mega star no meio deles. Mas Minnette estava na verdade “tentando desesperadamente voltar para o meu apartamento a tempo de assistir a final da meia-temporada de The Walking Dead.” E Langford estava “tremendamente doente.

Eu tive que ir para casa dentro de duas horas porque estava muito doente,” revela ela. “Então eu recebi um telefonema às 5 da manhã porque foi o dia em que as indicações ao Globo de Ouro saíram e eu tinha que escrever uma resposta para a imprensa. Então filmamos naquele dia à tarde. Foram 24 horas estranhas.

Por fim, Langford não ganhou a categoria em que estava concorrendo — Melhor Atriz em Série de TV Dramática. Mas agora ela está nos olhos do público e é um nome popular entre os diretores de elenco. Em uma reviravolta estranha do destino, considerando o status de Hannah em 13RW, Langford se tornou uma ‘it girl’ de Hollywood. Mas essa não é uma frase da qual ela gosta. “Eu não gosto porque me faz sentir como se eu fosse um momento no tempo, como se eu não fosse uma coisa substancial que irá continuar,” explica ela. “Estou aqui há muito tempo.

Então, qual é o próximo passo para Langford & Companhia — a terceira temporada está no horizonte? O elenco parece disposto. “Estou definitivamente interessado em ver mais da vida de Clay. Eu adoraria continuar explorando isso,” diz Minnette. “Se faz sentido ter uma história, então definitivamente deveria haver outra [temporada],” concorda Langford. Quanto a Boe? Ela diz que “não sabe de nada” e que temos que “esperar até o lançamento da segunda temporada“. Apenas Yorkey não responde, provavelmente sob ordens estritas de ficar quieto. “Você simplesmente terá que esperar para ver.

’13 Reasons Why’ está disponível para transmissão na Netflix desde o dia 18 de maio

Fonte: NME.
Tradução & Adaptação: Katherine Langford Brasil.
Não copie e/ou reproduza sem dar os devidos créditos!

Deixe um comentário!