Arquivo de 'Galeria'



A Entertainment Weekly divulgou com exclusividade em seu site nesta terça-feira, 10/04, algumas fotos dos bastidores de ‘Spontaneous‘ e os diários de gravação de Katherine Langford, Hayley Law, Charlie Plummer e do diretor Brian Duffield.

Confira a matéria traduzida pela nossa equipe:

Spontaneous: Veja os diários de gravação de Katherine Langford e seus colegas de elenco
A estrela de ’13 Reasons Why’ foi para os bastidores do filme de ficção científica para a EW

Baseado no popular romance juvenil, Spontaneous é o próximo grande veículo do estrelato para Katherine Langford (13 Reasons Why). Ela interpreta Mara Carlyle, uma estudante do ensino médio cuja vida muda para sempre quando alunos de sua turma do último ano literalmente começam a explodir sem nenhuma razão aparente. Ela e seus amigos permanecem juntos, se perguntando como viver a vida quando o amanhã não é mais uma promessa.

Langford, seus colegas de elenco, e o diretor Brian Duffield compartilharam com exclusividade um diário de gravação da produção com a EW, contendo todo o tipo de grandes comentários sobre o filme.

KATHERINE LANGFORD

“‘Spontaneous‘ foi uma experiência tão boa e me deu a oportunidade de experimentar um papel e um gênero que eram tão diferentes de qualquer coisa que eu já tenha feito ou lido. Gravar esse filme foi incrivelmente especial e uma história da qual eu estava honrada em fazer parte, pois ela não só me desafiou como também me permitiu me divertir! Trabalhar com Brian Duffield, que não só escreveu esse filme, mas também o dirigiu, foi incrível, e foi um prazer poder executar sua visão. Eu me diverti tanto no set e sou grata por ter recebido a oportunidade de experimentar algo tão único.”

CHARLIE PLUMMER

“Trabalhar com Brian, Katherine, Hayley, e todo o elenco e equipe de ‘Spontaneous’ foi a melhor experiência que eu tive – todos eles são pessoas maravilhosas e mestres em seus ofícios. Estou tão orgulhoso de ter trabalhado com todo mundo envolvido neste projeto, e estou muito ansioso para ver o produto final.”

HAYLEY LAW

“Katherine, Charlie e eu nos tornamos próximos durante as filmagens. O que fez os dias muito longos se tornarem super divertidos. Ambos são atores incríveis. Eu pude aprender muito dividindo cenas com eles.”

BRIAN DUFFIELD SOBRE KATHERINE LANGFORD

“Trabalhar com Katherine Langford é provavelmente o mesmo sentimento de trabalhar com Meryl Streep — você sabe que está assistindo às melhores atrizes do mundo e está muito confuso quanto ao porquê de elas terem aceitado trabalhar com você. Eu sou um escritor profissional e nem mesmo posso pensar em que palavras usar para descrever o quão incrível ela é, tanto profissionalmente quanto pessoalmente.”

As fotos dos bastidores já estão disponíveis em alta qualidade em nossa galeria:

FILMES | MOVIE PRODUCTIONS > 2018 – SPONTANEOUS > BASTIDORES

Fonte: Entertainment Weekly.
Tradução & Adaptação: Katherine Langford Brasil.
Não copie e/ou reproduza sem dar os devidos créditos!

Katherine Langford concedeu uma entrevista exclusiva para a edição de abril de 2018 da Vogue Austrália. A atriz falou sobre feminismo, ‘13 Reasons Why‘, sua carreira, ‘Com Amor, Simon‘ e muito mais. Confira a matéria traduzida:

Katherine Langford fala sobre feminismo, sua ascensão à fama e ’13 Reasons Why’
Conseguindo aclamação súbita como a estrela de 13 Reasons Why, Katherine Langford se sente empolgada por começar sua carreira em uma época de mudanças monumentais nas indústrias televisiva e cinematográfica.

Enterrados fundo entre os muitos vídeos no YouTube relacionados ao sucesso teen da Netflix ‘13 Reasons Why‘, estão alguns clipes musicais caseiros feitos por sua estrela Katherine Langford quando ela era adolescente. A então estudante de 16 anos está sentada em seu quarto, na casa de sua família em Perth, vestindo seu uniforme escolar e com seus cachos caindo desarrumados, cantando com seriedade na câmera de seu computador.

“Dizendo que somos jovens e morrendo de vontade de ser mais velhos… clamando por liberdade, mas nunca querendo envelhecer e… aqui estou eu no meio da angústia adolescente tentando loucamente ser muito mais do que somos, estamos indo longe demais,” canta Langford.

O ano é 2013 e a música se chama Young & Stupid, uma canção anti-suicídio escrita depois que três adolescentes de Perth tiraram suas próprias vidas naquele ano. É uma melodia simples, acompanhada por um teclado, mas a voz de Langford é surpreendentemente sincera, melancólica, com tons fortes no estilo de jazz que combinam com sua aparência pré-rafaelita.

Corte para quatro anos mais tarde e Langford mais uma vez vestiu um uniforme escolar e novamente aborda um tema melancólico como a estrela de ‘13 Reasons Why‘, onde ela interpreta Hannah Baker, uma estudante que comete suicídio e deixa 13 fitas explicando seus motivos para tirar sua própria vida. Foi um papel marcante para a jovem atriz australiana, um que lhe rendeu uma indicação ao Globo de Ouro e a catapultou no espírito adolescente atual uma vez que ‘13 Reasons Why‘ se tornou uma das séries mais comentadas no Twitter em 2017. Ela causou muitos debates quanto ao seu controverso conteúdo sombrio, mais notavelmente o angustiante episódio final em que Hannah tira a própria vida.

Interpretar Hannah, Langford admite, não foi fácil. “Felizmente para mim, minha experiência de ensino médio foi muito diferente da de Hannah. Eu frequentei uma escola para pessoas intelectualmente dotadas e talentosas, e fui muito bem assistida em meu grupo de amigos,” ela diz.

“Em termos de interpretar Hannah, ela é uma personagem que eu desempenho, e eu sou eu mesma. Nós somos pessoas muito diferentes e a história dela é muito diferente da minha, no entanto, ainda sou eu, mesmo com a maquiagem e as mudanças de figurino. Às vezes eu acho complicado como atriz determinar o que é real e o que não é. Nós somos pessoas diferentes, mas no fim do dia ainda sou eu… Você vê Hannah chorar, mas aquelas são as lágrimas da Katherine, eu acho.”

O conteúdo sensível de ‘13 Reasons Why‘ – suicídio adolescente e bullying – não está perdido em Langford, que tem feito um esforço consciente para aproveitar sua celebridade para ajudar outras pessoas e causar mudança. Ela é cuidadosa e considerada com suas palavras, consciente de que é agora um modelo para jovens adolescentes potencialmente vulneráveis, milhares dos quais a seguem nas redes sociais.

“Eu não acho que alguém poderia ter previsto a magnitude da série. Todos nós estávamos cientes de que abordar tópicos sensíveis e questões que são pessoais e relevantes significava que as pessoas iriam se identificar com elas de maneiras diferentes.

“Quando a série foi lançada, eu decidi ter uma presença nas redes sociais porque senti que era importante estar lá para apoiar as pessoas caso elas precisassem de ajuda com qualquer coisa relacionada à Hannah ou à série. Eu tenho 21 anos [ela completa 22 neste mês], sou uma atriz e não sou de forma alguma uma profissional certificada, (mas) senti que em qualquer capacidade que eu pudesse estar lá para ajudar, então isso seria benéfico. Para mim, não se trata muito de oferecer conselhos de vida, mas ser uma plataforma e uma pessoa que, com sorte, pode transmitir mensagens positivas e… disseminar links de websites específicos na minha bio nos quais as pessoas podem clicar, fornecer fontes. Essas são coisas que eu posso fazer que são úteis.”

Langford está falando ao telefone de Los Angeles, onde ela passa mais tempo agora conforme seu perfil se eleva. Nós tínhamos nos encontrado no mês anterior na cerimônia de premiação do Australians in Film em West Hollywood, onde ela recebeu o Prêmio de Atuação Inovadora (Breakthrough Award), uma das muitas distinções que ela recebeu nos últimos 18 meses, incluindo sua aprovação no Globo de Ouro.

Embora ela não tenha ganhado o Globo, o evento foi uma reviravolta para Langford, não apenas sendo sua primeira grande cerimônia de premiação, mas uma noite em que o #MovimentoTimesUp foi lançado e as mulheres de Hollywood expressaram sua opinião vestindo preto no tapete vermelho. (Langford usou um vestido preto personalizado assinado pela Prada.) Emergir na indústria do entretenimento durante um extraordinário momento decisivo para a igualdade das mulheres é significativo para Langford, uma orgulhosa feminista.

“Definitivamente parece que há uma revelação de mudança e empoderamento, onde as pessoas estão realmente usando suas vozes. Especialmente mulheres de alta potência, talentosas e bem conhecidas na indústria que estão definindo os padrões e são muito apaixonadas, não apenas nesta indústria, mas também em outras. Então estar no Globo de Ouro acentuou esse sentimento ainda mais, e, para mim, sendo uma jovem atriz no começo da minha carreira, é um momento tão inspirador.”

Langford acaba de terminar de filmar a segunda temporada de ‘13 Reasons Why‘ e aparece neste mês aparece em seu primeiro longa-metragem ‘Com Amor, Simon‘, a adaptação cinematográfica do romance juvenil Simon vs. A Agenda Homo Sapiens. [Com Amor, Simon] É outro drama sobre amadurecimento, desta vez lidando com a homossexualidade e o bullying.

“Depois de ‘13 Reasons Why‘ eu não estava necessariamente procurando fazer mais nada, muito menos algo que se passasse em uma escola secundária. Mas o que me impressionou em ‘Com Amor, Simon‘, foi que não é um filme sobre ensino médio, é uma história de amor, uma história sobre se assumir, uma história de amadurecimento. Haviam tantas narrativas que pareciam familiares e ainda assim únicas, simplesmente devido ao modo como elas foram escritas e à maneira que eu senti que foram retratadas,” ela diz.

A atuação não foi o primeiro amor de Langford – na escola ela se destacou em natação e teatro musical, se inscrevendo para a Western Australian Academy of Performing Arts (WAAPA), cujos ex-alunos incluem Heath Ledger e Hugh Jackman, após se formar no ensino médio. “Atuar não era realmente algo que eu procurava fazer até os meus 18 anos, quando fiz testes para todas as escolas de teatro e me disseram que eu precisava de experiência de vida,” ela diz, rindo.

Sempre determinada, Langford foi e conseguiu um diploma em teatro musical enquanto trabalhava em três empregos. “Naquele ano inteiro quando eu completei 18 anos, eu tentava encontrar aulas e ler peças no tempo livre entre trabalhar em meus empregos e ir à aula. No fim daquele ano, alguns agentes dos EUA visitaram a Austrália através de um curso,” ela acrescenta.

Ela foi convidada a enviar uma fita de audição ao mesmo tempo em que recebeu a notícia de que havia se classificado para a fase final de testes para as duas melhores escolas de artes cênicas do país: WAAPA e National Institute of Dramatic Art (NIDA).

“Cerca de dois dias depois que eu enviei a fita para fazer os testes para aqueles agentes americanos, eu descobri que tinha sido aceita na WAAPA, na qual eu estava tentando entrar há três anos,” ela diz. No dia seguinte, os agentes ligaram para ela para dizer que queriam que ela fizesse um teste para emissoras. Não é necessário mencionar que a WAAPA foi protelada e Langford não olhou para trás.

Embora sua carreira de atriz esteja florescendo, a música ainda é uma grande paixão. Inspirada ao assistir um show da Lady Gaga quando tinha 16 anos, Langford aprendeu a tocar piano sozinha (através de tutoriais na internet). Quando menciono esses vídeos do YouTube, ela ri. “Eu treinei como vocalista clássica e no meu último ano de escola, comecei a me envolver bastante com música. Acho que comecei a escrever músicas para os meus amigos porque eu via que eles gostavam delas e que elas os faziam felizes, então eu as colocava no YouTube para que meus amigos pudessem assisti-las. É engraçado assistir esses vídeos agora… a música foi algo que eu fiz muito antes de atuar e é parte de quem eu sou.”

Eu pergunto se algum dia ela consideraria fazer um musical. “Eu amo musicais, mas no momento guardo [minha música] para mim mesma,” ela diz. “Já me perguntaram se eu pretendo lançar algo um dia… Acho que mais para a frente, eu não diria não se fosse algo do qual eu estivesse orgulhosa ou algo que eu sentisse que as pessoas iriam gostar. Definitivamente isso está na mesa.”

Com Amor, Simon‘ estreia nos cinemas em 29 de março.

As fotos do ensaio fotográfico de Katherine para a VOGUE Austrália, realizado por Robbie Fimmano, e os scans da edição de abril da revista já estão em nossa galeria:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS & PORTRAITS > 2018 > VOGUE AUSTRALIA POR ROBBIE FIMMANO


REVISTAS & JORNAIS | SCANS > 2018 > ABRIL – VOGUE AUSTRALIA

Fonte: VOGUE Austrália.
Tradução & Adaptação: Katherine Langford Brasil.
Não copie e/ou reproduza sem dar os devidos créditos!

Katherine Langford estampa uma das 5 capas da edição Rising Stars, de maio de 2018, da ELLE Austrália. A atriz foi homenageada juntamente com Amy Shark, Darcy Vescio, Victoria Lee e Danielle Macdonald, mulheres que vivenciaram incríveis anos de estreia na TV, música, cinema, esporte e moda.

Confira o vídeo dos bastidores do ensaio fotográfico divulgado no site da ELLE australiana:

Os scans e capturas de Katherine nos bastidores do ensaio fotográfico já estão em nossa galeria:

REVISTAS & JORNAIS | SCANS > 2018 > MAIO – ELLE AUSTRALIA

CAPTURAS | SCREENCAPTURES > PHOTOSHOOTS > 2018 > ELLE AUSTRÁLIA

Em meio as especulações sobre a data de estreia da 2ª temporada de ‘13 Reasons Why‘, a Netflix divulgou nesta última quarta-feira, 21/03, um novo vídeo de advertência com uma mensagem do elenco que será exibido antes de cada episódio.

O vídeo reacendeu os debates quanto a responsabilização da Netflix em relação a falta de avisos eficazes antes da exibição dos episódios e quanto aos efeitos que a série pode causar em pessoas sensíveis e/ou com distúrbios psicológicos.

Confira o vídeo no player abaixo:

As capturas já estão disponíveis em nossa galeria:

SÉRIES DE TV | TV SHOWS > 2017 – 2018: 13 REASONS WHY (OS 13 PORQUÊS) > 2ª TEMPORADA > CAPTURAS > EXTRAS > CLIPE “MENSAGEM DO ELENCO DE 13 REASONS WHY”

Durante a press junket de ‘Com Amor, Simon‘ em Los Angeles, Katherine Langford e Nick Robinson concederam uma entrevista exclusiva para o site do BuzzFeed para promover o filme. Os atores responderam a perguntas dos mais variados temas enquanto brincavam com filhotinhos de cachorro.

Confira no player abaixo a entrevista completa e, a seguir, a tradução da matéria publicada pelo BuzzFeed:

Nós fizemos Nick Robinson e Katherine Langford brincarem com filhotinhos e foi a melhor coisa desde os Oreos de Halloween
“Isso é o que eu me propus a fazer, brincar com filhotes o tempo todo!”

Uma história de amadurecimento adornada com uma emocionante história do processo de se assumir, ‘Com Amor, Simon’ já é um grande sucesso apenas alguns dias após a sua estreia, conectando-se com o público por todo o país.

Em comemoração ao filme histórico, as estrelas do mesmo, Nick Robinson e Katherine Langford, se sentaram com o BuzzFeed para revelar tudo o que você queria saber a respeito do filme enquanto brincavam com alguns filhotinhos seriamente fofos. Honestamente, foi a melhor coisa desde os Oreos de Halloween.

1. O que inspirou vocês dois a seguir carreira na atuação:

Nick Robinson: Coisas como esta [brincar com cachorrinhos]. Isso é o que eu me propus a fazer, brincar com filhotinhos o tempo todo! Eu acho que a melhor coisa da atuação é que você pode se colocar no lugar de outra pessoa sem sofrer as consequências.

Katherine Langford: Eu era uma nadadora, mas também amava realmente a arte e treinei classicamente como cantora por dez anos. Eu assisti a um show da Gaga e comecei a escrever músicas, e então no final daquele ano fiz o teste para uma escola de teatro e não fui aprovada. Então, eu decidi fazer um curso de teatro musical e, à partir daí, percebi que gostava dessa coisa de atuar. Enfim, agora estou aqui!

2. No filme, Simon menciona os testes do BuzzFeed. Se vocês fossem redatores do BuzzFeed, que testes você iriam criar?

KL: “Qual é o seu Nome de Drag?” Porque é difícil, cara!

NR: Eu apoiaria esse, “Nome de Drag!” “Que Raça de Cachorro É Você?” — Eu acho que esse é simples!

KL: Eu tenho um nome de drag temporário, mas…

NR: Qual é o seu nome de drag temporário?

KL: Eu não sei se posso xingar no BuzzFeed, então…

3. Como vocês esperam que ‘Com Amor, Simon’ vá afetar os adolescentes LGBTQ?

NR: Eu só espero que este filme promova e dê continuidade às conversas sobre representatividade, inclusão e tolerância. Ver sua história representada em uma tela é uma coisa muito poderosa!

KL: Eu acho que representatividade é crucial. É tão importante ver pessoas que se pareçam com você, ajam como você, e ver histórias com as quais você possa se identificar porque é o que faz você não se sentir louco ou sozinho. Essa é uma história que demorou para ser contada, mas espero que ela normalize esses sentimentos porque acho que isso não é representado o suficiente na mídia. Se você não vê essas histórias, você não as entende, e então torna-se estranho ser isso. Eu acho que é preciso muita coragem para se assumir e espero que esse filme possa ser um ponto de discussão para facilitar isso.

4. Que conselho vocês podem dar aos jovens que estão tendo problemas para aceitarem a si mesmos ou sua sexualidade?

NR: Agora, mais do que nunca, é uma época em que você pode encontrar uma comunidade. Não importa se for on-line, você pode encontrar pessoas com visões e pensamentos semelhantes aos seus. Não tenha medo de ser vulnerável.

KL: Eu não posso dar conselhos pessoais porque a história de todos é diferente e eu nunca tive que passar pelo processo de me assumir, ou qualquer coisa do tipo. Saiba que você não está sozinho e que seus amigos — se forem amigos de verdade — irão te aceitar e te amar.

5. Como vocês dois eram no ensino médio:

KL: Eu nunca me encaixei. Eu era uma atleta, mas também era música. Eu também era muito nerd, mas nunca nenhum desses rótulos pareceram certos. Como você era no ensino médio, Nick?

6. Se vocês pudessem voltar no tempo e dar um conselho ao seu eu do ensino médio, qual seria?

NR: Não se esforce tanto para se encaixar, não tenha medo de ser vulnerável, e confie um pouco mais nos seus instintos. O ensino médio é uma época em que você está se tentando se expressar com muito afinco mas você nem sempre tem as ferramentas emocionais necessárias para fazer isso. Apenas brinque com cachorrinhos.

KL: Meu conselho seria continue a fazer o que você está fazendo porque eu sinto que eu não mudaria nada!

7. Vocês leram o livro Simon vs. A Agenda Homo Sapiens para de preparar para seus papéis? Se sim, como o livro ajudou?

KL: Eu li, você leu?

NR: Sim!

KL: Eu fiquei tão fã do livro. Eu entrei em contato com a Becky [Albertalli] no Instagram e simplesmente meu lado fã aflorou. Adaptar um romance para um filme é complicado porque existe todo aquele histórico que você tem que incluir em uma hora e meia. Se você quiser um pouco de histórico, o livro é perfeito. Nele, eles se aprofundam muito mais na Leah e em suas inseguranças e eu acho que essa é uma parte muito grande do que está acontecendo com ela. Não só toda a jornada emocional, mas também como ela se sente em relação a si mesma.

NR: Eu pude ler o livro e isso acrescentou muito mais profundidade à esses personagens. Talvez isso se deva a sua [Becky] experiência — ela costumava ser uma orientadora escolar — mas ela é muito boa em tornar esses personagens tridimensionais e mostrar suas trajetórias. Eu acho que fizemos justiça ao livro. Eu espero que se você tenha gostado do livro, você vá gostar do filme. E se você nunca o leu, eu recomendo altamente que você dê uma olhada!

8. Quais foram seus momentos favoritos dos bastidores com o elenco no set?

KL: Nós fomos para Savannah, o que foi legal, exceto pelo tour fantasma — eu não gostei daquilo.

NR: Ah, sim. Savannah foi a melhor parte disso.

KL: Você também me ensinou a dirigir…

NR: Você sabia dirigir. Você dirigiu do outro lado da estrada, né?

KL: Sim.

NR: Você já dirigiu um carro antes, né?

KL: Sim, não, não, não. Vamos especificar, ele não me ensinou a dirigir, mas…

9. Tanto ‘Com Amor, Simon’ como ’13 Reasons Why’ assumem grandes e importantes temas que as gerações mais jovens enfrentam hoje. Se vocês pudessem dirigir um filme, que temas ele incluiria?

NR: Eu definitivamente não estou pronto para dirigir um filme. Se eu fosse dirigir um, gosto de filmes que são difíceis de se definir. Eu gosto de Donnie Darko. Algo nessa linha, nessa pegada.

KL: Você me lembra um Jake Gyllenhaal jovem em Donnie. Quando eu assisti esse filme, eu fiquei tipo, “Esse é o Nick.”

NR: Oh! Na verdade, eu não sei se isso é um elogio, mas eu vou levar como um.

KL: Eu também não me sinto pronta para dirigir algo. Eu gostaria de dirigir, mas se eu fizesse isso, eu iria querer estar pronta para fazê-lo. Eu realmente gosto da ideia de capturar partes de si mesmo que você guarda para si e não mostra para outras pessoas, acho que isso é muito legal. Na verdade, tive a ideia de contar quando você se apaixona por alguém, mas da perspectiva de uma garota por outra garota. Eu tive uma amiga que me ensinou sobre isso e ela simplesmente tinha uma história muito linda.

10. Onde vocês se veem daqui a cinco ou dez anos?

NR: Ai, Deus! Eu mal consigo pensar no que vou estar fazendo amanhã! Eu não consigo pensar em cinco a dez anos.

KL: Eu gostaria de atuar mais, mas eu também gostaria de fazer algumas músicas. Eu vim de um cenário musical e nos últimos dois anos eu fiz 13 Reasons Why e fiz isso [Com Amor, Simon], e esses projetos estão saindo agora, mas eu acho que a música ainda está no meu interior. Então, eu não sei, talvez lançar algumas músicas. Meus amigos querem desesperadamente que eu faça isso porque eles me conhecem desde que eu comecei a escrever. Veremos!

As capturas da entrevista de Katherine e Nick para o BuzzFeed já se encontram em nossa galeria:

CAPTURAS | SCREENCAPTURES > ENTREVISTAS > 2018 > MARÇO – BUZZFEED

Fonte: BuzzFeed.
Tradução & Adaptação: Katherine Langford Brasil.
Não copie e/ou reproduza sem dar os devidos créditos!